Datas Comemorativas

Hoje é: Dia do Cantor e Dia Mundial do Rock.

Amanhã é: Dia da Liberdade do Pensamento.

Artigos

Fabrício Vieira de Moraes - fvmoraes@editorasaraiva.com.br

Coordenador pedagógico do Ético Sistema de Ensino, da Saraiva.

Enem: caminho de oportunidades

As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) superaram as expectativas para 2014. Foram inscritos, aproximadamente, 9,5 milhões de estudantes de todas as regiões do país. Desde a criação da avaliação, em 1998, o número de inscritos vem aumentando gradativamente. Para isso, alguns incentivos foram importantes.

Para recordar alguns acontecimentos, a partir de 2001 o exame passou a ser gratuito para todos os alunos da escola pública. Já em 2004, foi criado pelo Ministério da Educação o Programa Universidade para Todos (Prouni), que iniciou as suas atividades concedendo bolsas de estudos integrais ou parciais (50%) em instituições privadas de ensino superior, e para participar, os alunos utilizavam as notas obtidas no Enem. Além disso, em 2009, algumas universidades federais e institutos federais de educação aderiram ao exame como forma de acesso aos seus cursos de graduação.

Atualmente, há alguns possíveis caminhos que podem ser trilhados pelos estudantes a partir da nota obtida no Enem. O aluno pode utilizá-la para se inscrever no SISU (Sistema de Seleção Unificado), por exemplo, que deve oferecer cerca de 130 mil vagas em mais de 100 Instituições de Ensino Superior - Universidades e Institutos Federais de Educação - só este ano.

Com essa possibilidade de romper com as fronteiras de acesso ao ensino público, uma questão sempre é apresentada pelas famílias: como fazer para subsidiar o filho em outra região do país? O primeiro aspecto que deve ser considerado é a conquista de uma vaga pública e a possibilidade do acesso ao ensino superior, mesmo que, para isso, o estudante precise mudar de cidade ou estado. É a primeira vez na história da Educação brasileira que rompemos com as barreiras geográficas impostas pelos vestibulares bairristas!

E as famílias precisam saber que não estão desamparadas neste processo. As Universidades públicas oferecem possibilidades para os estudantes com baixa renda, como moradias estudantis, bolsas alimentação e participação em projetos de iniciação científica com bolsas subsidiadas pelo CNPQ, entre outras formas de incentivo que podem auxiliar ou subsidiar o custo de vida do aluno em outras regiões. Esse fato é importante para rompermos com as fronteiras físicas e vislumbrarmos novas possibilidades para o ensino superior.

Além da oferta das vagas públicas, é possível ingressar nas universidades privadas tanto por meio do Prouni quanto pelo Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação na educação superior de estudantes matriculados em instituições não gratuitas. Nesse último caso, a maioria das universidades avalia o ingresso do estudante por meio da nota obtida no Enem.

Há oportunidades não só no Brasil, como também no exterior. Neste ano, algumas universidades portuguesas, como a Universidade de Coimbra, por exemplo, passaram a aceitar a nota do Enem em seus exames de seleção. Outro programa internacional é o ‘Ciência sem Fronteiras’, que possibilita ao aluno de graduação uma oportunidade de experiência fora do país. Nesse caso, o estudante precisa obter no Exame uma nota igual ou superior a 600 para concorrer a uma vaga.

Viajando o Brasil para falar com professores, alunos e famílias, pude identificar que o Enem já faz parte do dia a dia do estudante, mas que nem todas as oportunidades que existem a partir do exame estão bem compreendidas. Então, nada melhor do que buscar conhecer todos os possíveis caminhos do Ensino Superior para, assim, decidir qual é o melhor a ser seguido.

Veja outros artigos deste autorVeja artigos de outros autores

obs: respeitar letras maiúsculas e minúsculas

obs: respeitar letras maiúsculas e minúsculas