Datas Comemorativas

Hoje é: Dia Mundial da Ciência.

Amanhã é: Dia do Doador de Sangue.

Artigos

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - aspomilpm@terra.com.br

Dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Poderes, é preciso ouvir o povo

A pesquisa Ibope divulgada no domingo diz que 96% dos participantes das manifestações não são filiados a partidos políticos, 89% não se sentem representados pelos partidos e 83% não tem os políticos como seus representantes, é uma tendência que merece muita reflexão. Chegamos, sem dúvida, a um dos mais baixos índices de prestígio dos gestores das instituições e da classe política, que tanto se vangloriam de terem conquistado a volta da democracia no país. O povo, sentindo-se órfão, diante de descarados desmandos da corrupção e outros males, redescobriu sua força através das passeatas e da reivindicação pacífica (por enquanto). Tanto que a presidente da República chamou os governadores e prefeitos para a imediata elaboração de um pacto que, com transparência, atenda ou pelo menos encaminhe os problemas reclamados pela massa.

É importante que, além dos transportes coletivos, encontrem soluções urgentes para a Saúde e a Educação, de forma a evitar que cidadãos continuem morrendo sem atendimento na porta dos hospitais e que crianças permaneçam sem a escola que lhe é de direito. As ruas aguardam, com ansiedade, por medidas concretas contra a corrupção e a justa punição dos corruptos em todos os níveis, inclusive a cassação e prisão dos condenados do mensalão. Não abrem mão da segurança pública para que todos tenham o direito de ir-e-vir sem o risco (hoje quase certeza) de serem assaltados, seqüestrados ou mortos por criminosos que, quando presos, logo ganham as ruas novamente e voltam a atacar.

O atual estado de coisas mostra o total divórcio dos governos eleitoreiros e da discutida classe política em relação aos eleitores e à sociedade. Os governantes, fechados em seus gabinetes, governam para o próprio umbigo e tentam convencer a população através da propaganda massiva, incondizente com a realidade. Parece até que falam das maravilhas de outro país! Os políticos, que deveriam representar o eleitor, ocupam-se mais com o poder os próprios interesses, formação de bases parlamentares, conquista e barganha de cargos públicos e outras benesses, ignorando o interesse do povo que os elegeu e deixando projetos importantes engavetados por anos a fio. Não é de se estranhar que agora, que descobriu a própria força, o povo dê seu troco.

Mesmo com a reação da presidente e dos demais governantes, ainda é difícil prever até onde irão as manifestações que cobrem o território nacional. Os governos, partidos e os políticos precisam correr contra o tempo e irem de encontro ao povo, fazendo aquilo que sempre deveriam ter feito: ouvi-lo. E, além de ouvir, buscar com toda sinceridade e empenho a solução dos problemas. Só assim poderão reconquistar pelo menos parte do prestígio perdido e promover a paz social e a própria democracia.

De nada adiantará a repressão aos movimentos. Há que se compreender que as polícias só devem ser empregadas para o combate ao vandalismo e às infiltrações radicais nos movimento. Jamais contra os manifestantes que pacificamente fazem suas reivindicações. Estes, pelo contrário, devem ter sua integridade garantida...

Veja outros artigos deste autorVeja artigos de outros autores

obs: respeitar letras maiúsculas e minúsculas

obs: respeitar letras maiúsculas e minúsculas