Datas Comemorativas

Hoje é: Dia do Soldado Constitucionalista.

Amanhã é: Dia da Pizza.

Artigos

Esther Cristina Pereira - cris@escolaatuacao.com.br

Esther Cristina Pereira é psicopedagoga, diretora da Escola Atuação e vice-presidente do Sinepe/PR.

WhatsApp e o delírio do vício

Nas mesas de restaurantes, no trabalho, em festas e até mesmo em casa. Tem gente que não consegue desgrudar do celular por um minuto. A cada dia, o vício pelo WhatsApp e pelas novas tecnologias tem se mostrado mais assolador e devastador.

A necessidade de contar tudo a todos "em tempo real" provoca grande ansiedade e diminui a qualidade das relações verdadeiras, aquelas que enfatizam o toque, o carinho do olhar, do encontro.

Estamos criando uma geração inteira de seres individualistas, que não sabem se colocar no lugar do outro, além de não serem capazes de esperar até amanhã para rever alguns sentimentos e pensar antes de agir. O mal do século será a prisão e a alienação das pessoas em função das novas tecnologias, principalmente celulares e smartphones.

Ao fazer um exercício simples de observação, conseguimos notar que hoje em dia todos andam com os celulares nas mãos. Não conversamos mais, não dialogamos mais, apenas nos falamos via WhatsApp.

Pensemos nos diversos grupos que participamos por meio do aplicativo. Quantas besteiras são compartilhadas por não termos tempo para pensar, refletir e avaliar. Tudo tem que ser instantâneo. As coisas são ditas sem nenhuma preocupação de como o outro ira recebê-las.

Nós, que vivemos a realidade escolar, sofremos uma degradação diária em nosso papel de professor ou gestor por meio do WhatsApp, já que tudo que acontece com uma criança é compartilhado pelas famílias sem o mínimo de ética e bom senso. Todos cuidam de tudo e de todos. As dificuldades de uma criança são divulgadas nos grupos de mães sem o menor cuidado, sem nenhuma reflexão sobre quem irá ter contato com aquelas informações - será que a criança vai ler aquilo? Não raro estas conversas geram situações de conflito no ambiente escolar.

Como resultado, temos um instrumento de socialização sendo usado imoralmente, com práticas negativas. Outra consequência é que as crianças não pagam mais o preço por seus erros e esquecimentos. Se deixou algum material em casa, logo envia uma mensagem para a mãe socorrer e levar o objeto esquecido até a escola. E, sem passar por algumas situações, o jovem terá muitas dificuldades na vida adulta e no "mundo real".

Por isso, ao invés de nos desesperamos e buscarmos outros aplicativos nestas 72 horas em que o WhatsApp ficará bloqueado em todo o Brasil, que tal nos desconectarmos e voltarmos ao tempo em que os contatos que mantínhamos eram mais pessoais - seja por meio de uma ligação ou de um encontro olho no olho?

Veja outros artigos deste autorVeja artigos de outros autores

obs: respeitar letras maiúsculas e minúsculas

obs: respeitar letras maiúsculas e minúsculas